quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Fabiano Silmes: Seus poemas pedem licença e seus sonhos pedem passagem.

.
Fabiano Silmes é um dos poetas das raízes do Uma Noite na Taverna. Vem participando com sua poesia desde o ano de 2004 na 1ª temporada do evento, quando se apresentou pela primeira vez, no restaurante do SESC São Gonçalo. Boêmio, poeta "matador", excelente contista e cronista, Silmes tem em sua arte forte influência do modernismo e dos ensejos da Contracultura. Sua poesia é objetiva, sem meios termos, um tiro sem dó nem piedade, de visceralidade pungente.


Nasce o poeta: Taverna de 16/04/04 (4º edição do evento!)

Fabiano da Silva Gomes ou Fabiano Silmes como é mais conhecido, nasceu em São Gonçalo, em 1979. Estudante de Produções Publicitárias e Marketing da Faculdade Estácio de Sá, atualmente colabora, juntamente com outros poetas, do blog A Corja, e também do blog Vortex Project, esse em parceria com o poeta e Design Gráfico Leandro Manhães. Atualmente prepara o seu primeiro livro de poesia.


POESIA - POESIA - POESIA

A Margem

pelos subterrâneos e bulevares
pelos loucos e mendigos
pelas prostitutas da noite
pelos bêbados da madrugada

meu poema pede licença
e meus sonhos pedem passagem.

***

O mais são cinzas

A esperança está morta
Vejo em campos decepados
Os últimos pedaços espalhados.

Os sonhos se perderam
Lágrimas e olhos vermelhos
O horizonte foi sepultado
E o vazio se espalhou por tudo.

A inocência está morta
O amanhã está morto
Deus está morto

Minha voz é um eco.

***

A longa objetividade das coisas

Breves são as flores,
Misteriosa é a resistência das pedras,
Indiferente é o vento que passa,
Despreparados são os homens.

Breves são os homens,
Indiferentes são as pedras,
Misteriosa é a resistência do vento frio que passa
Beijando de leve as flores despreparadas.

***

Andanças

Ao poeta Ricardo Sant’Anna Reis

tenho andado inquieto
as ruas todas
seguem sem novidades.

tenho andado a esmo
lento como a tarde
veloz como a vida.

on the road, baby
eu Sigo o meu caminho
mas eu nunca estou só
a poesia dos momentos
vai dentro do meu peito
como se fossem palavras
e assim levado pelo vento
vivo como se escrevesse
um poema feito das coisas
que deixo para trás.

***

Blog do poeta Fabiano Silmes (arrisque-se):

http://vortexproject.blogspot.com/

.

3 comentários:

Mensageiro Obscuro disse...

Infelizmente perdi sua apresentação. Gostaria de ter ido ao evento.

' Romario Regis disse...

Qus saudade de passar no Uma Noite na Taverna que certamente é o maior evento cultural de São Gonçalo e deve estar entre os mais tradicionais de todo o Rio de Janeiro.
Espero que o evento se mantenha por bastante tempo e que meus filhos, netos e por ai agora tenha ma possibilidade de assistir algum dia.

ps: com tristeza, perco várias apresentações de bobeira!

www.romarioregis.blogspot.com

luiz carlos disse...

poemas de profundos encantos
poemas urbanos,por onde vagueamos
lendo e sentindo,todo o perfume
diluindo em alcool e fogo