domingo, 22 de agosto de 2010

Evento: Uma noite... alucinante!

.
Era sexta-feira 13 de agosto, do ano de 2010, quando o evento Uma Noite na Taverna saudou homenagens a Sociedade Epicureia. Então, após o crepúsculo, o véu da noite cálida e frio tomou conta do SESC São Gonçalo e os três poetas tavernistas trajados com vestes negras como o manto da escuridão, iniciaram o que muitos consideraram um ritual tredo, numa viagem fantástica ao desconhecido...

O dobre de sinos, o canto de animais peçonhentos e uma música sombria ecoam, os tavernistas adentram a Taverna e sobre a réplica de um crânio acendem uma vela, servem-se de vinho e ao público é entoada a oração do Pai Nosso, da obra Divina Comédia de Dante. Está começando o Uma Noite na Taverna em homenagem aos poetas da Sociedade Epicureia!


A performance macabra iniciou, e enquanto eram recitados pelos poetas Romulo Narducci, Rodrigo Santos e Pakkatto, as poesias de mestres como Álvares de Azevedo, Bernardo Guimarães, Fagundes Varela, Lord Byron, entre outros, ao fundo uma caminhada no cemitério do Maruí era contemplada pelo público temeroso e maravilhado, numa projeção.


Textos carregados de emoção e de clima denso foram despejados com inspiração pelos poetas ao público, que não teve tempo de respirar durante 30 minutos.

Estreando como poeta residente, Pakkatto, que sempre foi uma peça importante para o tavernismo, abriu um portal para uma nova fase do evento.


O ritual poético proferido pelos 3 tavernistas começou, o vento gélido da noite haveria ainda de trazer novos uivos poéticos para que o Uma Noite na Taverna prosseguisse com o louvor que os mestres do byronismo merecem. O poeta Fagner Gabriel foi o primeiro poeta convidado da noite.



Pela primeira vez no Uma Noite na Taverna, o poeta Fagner Gabriel recitou seus belos textos embebidos do doce veneno poético da poesia romântica e da cultura do rock.



E eis que então, surge um belo anjo, suave e fatal, com uma poesia coesa demais para a sua idade de apenas 13 anos, a poeta Juliana Bittencourt, um querubim de talento precoce e surpreendente deixa o público embevecido com sua coragem e seus versos contestadores.



A pequena-grande-poeta teve o público sob o seu controle e foi muito aclamada.


O ator e escritor Sérgio Santal foi até o púlpito e falou para o público sobre o lançamento do seu livro de contos Pulhas, que era lançado naquela tenebrosa e fatídica noite.
A convite do amigo, o ator Wanderson Rosceno fez uma leitura dramatizada de um dos contos do Pulhas, de Sérgio Santal.

A noite não havia acabado, um pavor ainda iria se instalar naquela taverna. Os cânticos clamados, eivas de despertar os mortos, trouxeram do além o Mensageiro Obscuro em sua forma mais horripilante: o Fantasma!


O Mensageiro Obscuro ululou seus textos ultra-românticos com sua performance condigna com a fantástica noite tavernista de sexta-feira 13. Com essa horripilante personagem, foi a segunda vez que o Mensageiro Obscuro se apresentou no evento.

O público permanecia enfeitiçado na noite que seguia com suas belas maldições, uma edição de Uma Noite na Taverna que superou todas as expectativas, apesar de já ser ter sido há muito conjurada pelos 3 tavernistas.



A noite pareceu ter fim, o público já tinha esperanças de salvação quando uma voz, de uma mesa suscinta da Taverna ecoou: "taverneiro, traga-me um pouco de vinho!"


O público se virou se indagando de onde vinha aquela voz angelical, mas que ao mesmo tempo possuía uma arrogância descomunal. Era um nobre cavalheiro, de tez pálida que despertava um misto de curiosidade e um estranho arrepio na espinha.



Estava iniciando a esquete teatral do ator Reynaldo Dutra, Uma Noite ao Luar!



Servido de vinho pelo poeta Romulo Narducci, o estranho homem aos poucos revelava sua identidade, deixando os presentes atônitos.


E porque não, logo naquela noite, na Taverna? Era de se perguntar o porquê numa sexta-feira 13, após invocações epicureias, fantasmas, anjos e trovadores terem estado ali, porque ele não haveria de surgir?



E para o terror dos presentes ele revelou seu nome, que de tantos e tantos que a humanidade conhece e desconhece, ele se apresentou como Satã!



E com isso, a esquete Uma Noite ao Luar, do ator Reynaldo Dutra (Cia Quarto de Teatro) foi aplaudida de pé por toda a Taverna, se tornando sem dúvidas uma das mais belas apresentações teatrais de todos os sete anos de evento. No local, ainda, havia uma linda exposição do cartunista e ilustrador Adam Rabello (vejam matéria sobre o artista e seus trabalhos aqui no Manifesto Tavernista).

Um evento fantástico em todos os sentidos! Quem compareceu, se deleitou com a alta qualidade das apresentações que marcarm como uma das edições históricas do Uma Noite na Taverna. Quem não apareceu, recairá uma maldição: será assombrado eternamente de arrependimento por ter perdido essa noite fantástica. Evoé!


Fotos: Rodrigo Santos, Beatriz Peixoto, Michele de Oliveira e Pakkatto.

Agradecimentos: Ao público, Ayres e toda equipe do SESC São Gonçalo, Cia Quarto de Teatro, a todos os artistas que se apresentaram, ao vereador Marlos pela presença com sua família e a todos que mesmo não tendo comparecido, vibraram energias positivas pr o sucesso do evento. Evoé!

.

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Teaser do Uma Noite na Taverna - Agosto 2010

Este foi o teaser trailler do evento, lançado no dia 13 de agosto para mostrar um pouco do que esperava a todos no evento.

Fica aí como teaser da matéria sobre o evento, maravilhoso. Evoé!

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Esquete: Uma Noite ao Luar, com Reynaldo Dutra (Cia Quarto de Teatro)

.

Reynaldo Dutra (Cia Quarto de Teatro), ator, diretor e professor da Oficina Teatral Corpo Expressivo do SESC São Gonçalo, trará ao Uma Noite na Taverna a esquete Uma Noite ao Luar, uma adaptação sua baseada na obra Macário de Álvares de Azevedo, onde o ator interpreta o Satã.

A esquete que o ator já encenou numa peça baseada nas obras de Álvares de Azevedo como Macário e Noite na Taverna, foi remontada especialmente para o evento que homenageará os poetas da Sociedade Epicuréia.

Reynaldo Dutra tem se destacado bastante, juntamente com a Cia Quarto de Teatro (Cia que idealizou junto do ator e bailarino Anderson Hanzen) participando de vários festivais de teatro, conseguindo resultados excelentes, como prêmios de melhor ator.

O próximo trabalho a ser apresentado pela Cia Quarto de Teatro será a peça Chumbo Grosso, que faz parte do circuito A Explosão Musical dos Anos 60, no SESC São Gonçalo.

A peça Chumbo Grosso acontecerá no dia 10 de setembro, às 19 horas, no teatro do SESC São Gonçalo - Tel: (21) 2712-3282.
.
MACÁRIO, de Álvares de Azevedo

De difícil classificação quanto ao gênero, oscila entre o teatro, o diário íntimo e a narrativa (composição livre, meio diálogo, meio narração), que se estabelece através do diálogo entre Satã e Penseroso, tendo por centro os vícios e desatinos da cidade grande. Macário narra a saga de um jovem que viaja à cidade a estudos e, em uma de suas paradas pelo caminho, faz amizade com um estranho que se trata de ninguém menos que o Satã em pessoa.

A cidade descrita é São Paulo, que Álvares de Azevedo não perde oportunidade para criticar. Assim, ela é habitada por mulheres, padres, soldados e estudantes - lascivas as primeiras, dissolutos os segundos, ébrios os terceiros e vadios os últimos. Isto é: a terra é devassa como uma cidade, insípida como uma vila e pobre como uma aldeia. Mesmo as calçadas não escapam à tábula rasa, pois são intransitáveis e têm pedras que parecem encastoadas - as calçadas do inferno são mil vezes melhores. Macário, talvez a obra-prima de Álvares de Azevedo, é um drama que se passa em dois episódios.

No primeiro, o jovem estudante Macário chega numa taverna para passar a noite e começa a conversar com um estranho. O estranho revela ser Satã e leva-lhe a uma cidade (possivelmente São Paulo, não fica claro, mas a referência está lá) de devassidão, povoada por prostitutas e estudantes, onde Macário tem uma alucinação envolvendo sua mãe. Macário então acorda na pensão e a atendente reclama que ele dormiu comendo. Ele acha que foi tudo um sonho, mas ambos vêem pegadas de pés de cabra queimadas no chão. No segundo episódio, passado na Itália, Macário e outros estudantes aparecem em cena, confusos, deprimidos e em busca do amor puro e virginal. Seu amigo Penseroso acaba matando-se por amor enquanto Macário está bêbado. A peça acaba com Macário sendo levado por Satã a uma orgia em um bar, algo remanescente de Noite na Taverna.

O ambiente narrado por Álvares de Azevedo é marcado por uma dubiedade de significados que talvez indiquem a estrutura profunda do drama, construído sobre a reversibilidade entre sonhado e real, vacilante terreno onde, quando pensamos estar num, estamos no outro.

***

Sérgio Santal lança o seu livro de contos Pulhas na Taverna

.
Sérgio Santal é um artista incansável. Ator, diretor de teatro, escritor e poeta, além de participar do excelente projeto do programa Lerê, que envolve um jornalismo descontraído sobre arte, políltica e comportamento, de muito bom gosto.
Sérgio que dirigiu a esquete da Taverna passada E Por Falar em Pierrot retorna nessa edição para lançar o seu livro de contos Pulhas.
Pulhas, segundo o próprio autor, "é um manifesto sobre a segunda morte. A pior das mortes. E pior que morrer é não ter mais esperanças. Morrer é uma opção. Os senhores leitores vão constatar. Porém, pior que a morte é o vazio, é o não poder sequer morrer. As personagens são todas conhecidas. Conhecemos ou nos deparamos com cada uma todos os dias. Às vezes mantemos até uma certa convivência; por vezes a reconhecemos numa notícia nos jornais. As reconhecemos porque somos universais em inúmeros aspectos, aliás, somos espectros do outro".
O autor conta episódios recorrentes do cotidiano, porém que deixou de ser lugar comum para denunciar que os caminhos foram percorridos, embora ao escolher cada um se tenha cometido o primeiro de uma série de erros, desencontros e novas escolhas equivocadas desencadeando a morte como um ato de vida. O que não deixa de ser uma das verdades absolutas do homem. A morte é certa e morremos todos os dias de tanto medo dela.
Este livro de contos do poeta Sérgio Santal, revela o lado obscuro do autor que essencialmente escreve para a mulher. Vamos encontrar em cada conto algo comum: o ser humano em sua eterna busca pela vida, acaba descobrindo como certa, a morte.



O livro Pulhas de Sérgio Santal estará sendo autografado pelo próprio autor no Uma Noite na Taverna dessa sexta-feira 13 de agosto, a partir das 19 horas.

http://sergiosantall.blogspot.com/

***

Fagner Gabriel: Correndo na estrada para a paixão

.
Fagner Gabriel é outro poeta que estréia no Uma Noite na Taverna dessa sexta-feira 13. Além de ser poeta, Fagner Gabriel é professor de Educação Física, escritor, compositor e palestrante. Lembra o poeta que sempre lia desde muito pequeno, influenciado pelos pais que sempre o presenteava com muitos livros e revistas. Começou a escrver os seus primeiros versos poéticos aos 14 anos de idade, quando tentava decifrar as letras da banda de rock Legião Urbana e as músicas dos Beatles, quando criava continuações e escrevia ensaios sobre as músicas dessas bandas.
Hoje suas influências são variadas, mimetizadas dentro de seu estilo, ele se inspira através dos versos de poetas como Paul Verlaine, Carlos Drummond de Andrade, Castro Alves, e dos compostitores e cantores Renato Russo e John Lennon.
A primeira vez que o poeta Fagner Gabriel mostrou seus versos ao público, foi num concurso de poesia no ano 2000, em que era homenageado o poeta Carlos Drummond de Andrade, quando ficou em segundo lugar em sua categoria, sendo aclamado com a medalha de prata. Em 2007, o poeta declamou seus poemas na Semana de Letras da Universo de São Gonçalo.
POESIA
(as poesias foram removidas a pedido do autor)
***

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Exposição: Adam Rabello e suas maravilhosas caricaturas

.
Pela segunda vez no Uma Noite na Taverna o ilustrador e caricaturista Adam Rabello irá expor suas belas e divertidas caricaturas no dia 13 de agosto, no SESC São Gonçalo. A exposição da Taverna estará aberta a partir das 19 horas. Adam expôs no evento em 2006 (foto acima), quando esta ainda acontecia no extinto Jardim da FASG, no centro de São Gonçalo (hoje funciona uma imobiliária). As caricaturas de Adam são um primor da arte da ilustração.
Nascido em Laranjeiras, Rio de Janeiro, Adam Rabello Dias desenha desde a infância, na sua juventude teve contato com o grafite de rua.
Em 2001, ingressa na Faculdade de Artes Visuais onde pôde aprimorar seu traço e conhecer novas técnicas.
Em 2005, além da ilustração, começa a se dedicar à caricatura participando de salões de humor, concursos e eventos onde desenha caricaturas ao vivo. Já fez exposição em diversas galerias do Rio de janeiro, foi selecionado em concursos e salões de humor.
Adam Rabello é bacharel em Artes Visuais e pós graduado em docência na educação superior. Tem se dedicado à docência em arte, ilustração e caricatura.
O MUNDO TODO É UM DESENHO





Adam Rabello realiza também performances ao vivo com seus trabalhos de caricatura, quando brinca com o público presente em eventos, congressos e festas, no qual é contratado para retratar a caricatura de todos.


CONTATOS E SITES:

Tel: (21) 2622-5946 ou (21) 8732-8783.

http://www.adamrabello.com/

http://www.flickr.com/photos/adamrabello/show/

http://www.fotolog.com/adamrabello

http://www.youtube.com/watch?v=ouJgltltzt8



***

Juliana Bittencourt: Talento Precoce e Surpreendente

.

Uma estréia mais do que surpreendente no Uma Noite na Taverna. Juliana Bittencourt passa a fazer parte do panteão de poetas prodígios do evento. Mas não é só isso, o evento acostumado a servir de palco de debut de talentos precoces terá a oportunidade de mostrar que a verdadeira arte não tem limites, pois essa menina que tem apenas 13 anos escreve acima da média. Um talento raro para sua idade, numa sociedade em que a banalidade toma de assalto os nossos jovens, desvirtuando-os da arte para a ignorância.
Juliana é a prova de que tudo isso pode ser diferente. Sua poesia que diz ser influenciada pelo modernista Mário Quintana, incrivelmente traça esboços de influências românticas e se enquadra maravilhosamente no que tendemos a chamar de estética tavernista. Não podemos negar que tamanha fora a nossa surpresa ao se deparar com sua idade após a leitura de seus textos, que trazem também um quê de contestação ao cotidiano e ao meio comum em que vivemos, banal e cruel. Prestem atenção nessa jovenzinha poeta, eis que mais um talento precoce irá debutar no Uma Noite na Taverna.
JULIANA BITTENCOURT Por Ela Mesma

"Meu nome é Juliana Bittencourt. Tenho treze anos e comecei a escrever aos oito anos de idade após ler um livro com poesias de Mário Quintana, que até hoje prevalece como minha inspiração artística. Tenho uma obsessão por livros, de todos os gêneros e uma mania de transformar minhas poesias em música, muitas vezes “brigando com meu violão”. Faço curso de teatro no SESC pois adoro encenar, levando em conta que como a poesia, a interpretação mostra pequenos detalhes, mesmo que sejam mínimos, sobre o que você pensa e respeita. Acredito que devido minha idade não recitei em muitos lugares, mas adquiri um pouco de experiência com alguns concursos escolares dos quais participei durante quatro anos, tendo o privilégio de receber em meu primeiro ano o prêmio de segundo melhor poema e melhor interprete do concurso. No segundo ano ganhei apenas como melhor interprete, no ano seguinte meu estilo poético mudou um pouco tendo como principal objetivo esclarecer críticas e provocar a conscientização de quem os lia, o que acredito que influenciou para que em meu terceiro ano de concurso eu recebesse os prêmios de melhor poema e melhor interprete. No quarto ano novamente fui premiada como melhor poema do concurso, mas acredito que não são troféus que fazem de mim uma poeta, aliás a poesia está muito além de premiações, para mim é uma forma de expressar meus pensamentos, e a vontade de mostrá-los que me motivou a recitar na Taverna. Desde já agradeço pela oportunidade que me concederam. Evoé!"

POESIA:

O Que Sou

Sinto um vazio em mim mesma
Perdida em um canto obscuro
Tenho medo da vida
Tenho medo do mundo

Me sinto uma estranha
Vasculhando a mesma resposta ridícula.
Tento gritar em protesto
Mas minha voz parece vencida

A noite se revolta contra minhas crenças
Grito suplicas sem saber o significado
Fantasmas me assombram trazendo lembranças
Esnobando de meu podre passado

Tantos olhos me discriminam
Por ser realmente que sou
Já não choro a batalha perdida
Não adianta, ela acabou

A as armas já não estão mais erguidas
O os navios não vão mais nos bombardear
Pois meu corpo já tão ferido
Desistiu sem ao menos lutar

Sou feita de retalhos do escuro da vida
E não conheço o livre arbítrio
Sou o que todos esperam
E um erro, para mim é um delírio

Tento rir da minha própria desgraça.
Fazer a loucura ser normal
Tento parar de escrever blasfêmias
Desligar um filme sem saber o final

As flores já estão murchando
E tudo que conheço se desfaz
Cale-te eu imploro...
Pois só quero viver em paz!

Conhecer o que de fato sou
E desculpe-me se não te espero
A vida é curta e nesse momento
Vou fazer o que acho que quero.

Homem de Lata

Numa noite serena
Encostado na sacada
úmida, fedida e molhada
Perdi o que chamava de vida

Ao encontro da morte corri
E ela, a mim esperava
Suspirava compassada e remota
Com sua foice erguida e apontada
Perguntou:
Tu és o homem de lata?

Humildemente respondi:
Não tenho alma, ou coração.
Pena ou piedade
Sou um andrógeno esquecido
O procura de sanidade
Morte, se assim quiseres
Assumo esta identidade
Homem de Lata serei
Para toda eternidade

O morte assustada com tal desespero, se calou.
Olhou-me de soslaio
E com pena de mim gargalhou...

E o que me dizes Homem de Lata
Veio me pedir um coração
Chame então Doroth, o espantalho
E se quiseres o Leão
Mas não sou como seu Deus, que prega a felicidade dos homens.
Pois da morte eu vivo, pois morte sou
Comovo-me mais com o pobre assassino
Do que a vítima que ele matou

Gargalhou fúnebre e plena
Naquela noite serena
Mas não me assustou, continuei seguro
E encarei a morte... Sim vi seus olhos
Vermelhos e tanto ódio
Dei um sorriso esnobe, que a fez estremecer
- Morte desgraçada! Não tenho medo de você!

Sei muito bem que não és Deus...
E se fosse, não lhe diria uma palavra
Não falo com me criou
Ou criou essa imunda raça
Raça, a qual temo pertencer
Mate-me eu imploro
Eu não quero mais viver

Um silencio fúnebre tomou conta da sacada
A morte sorriu
E naquele rosto podre
Pude ver a sombra de uma lágrima

Ser humano,
Humano Homem de Lata
Tu mereces a morte
E a morte te quer
Venha dormir comigo
Nobre Homem de Lata
Levar-te-ei sem cessar
Ao inferno do meu mundo
Onde esquecerá do que é vida
E dormirás em sono profundo

A morte sorriu e nada mais fez
Olhou para meu corpo imóvel a espera do fim
Esperando a cartada final, e o gosto da foice afiada
Eu sorria, e esperava a morte.

Eu...
O pobre Homem de Lata.

O Que Somos na Vida

Na vida somos todos fúteis
Cansáveis e volúveis
A qualquer finalidade

Na vida somos almas gêmeas
De Deuses e Diabos
Que nos fazem de escravos
De nossa própria fé

Somos todos putos
Que vendemos nossa podre paciência
Para simples insolências
Que me fazem acreditar
Que a humanidade está perdida
Viramos cobaias de nossa própria ciência
E é você que chama isso de vida

Somos um pedaço de nada
O nada que nos faz acreditar que somos tudo
E esse nada que nos engole
Me faz duvidar do mundo

Há anos não dou um sorriso sincero
Ou até mesmo um abraço
Eu que tanto critico a humanidade
Me acomodo neste descaso

Sou tão podre quanto o Baía de Guanabara
Poluída com meus pensamentos
Esqueci como se faz pra viver
E sobrevivo encenando momentos

Mas não ligue para o que eu digo
Beba para esquecer do mundo
Aliais beba um pouco de tudo
Se drogue ou tome veneno
Pouco me importo
É você que está vivendo.

***

.

sábado, 7 de agosto de 2010

Matéria no Jornal O Extra: "Uma Noite na Taverna em cobertura no caderno Minha Cidade."

.
Hoje, no dia 07 de agosto, uma semana antes da edição mensal do evento, saiu uma belíssima matéria no Jornal O Extra. No mês passado a jornalista Luana Soares esteve no evento cobrindo as apresentações e entrevistando os poetas tavernistas acerca dos objetivos e ideais do Uma Noite na Taverna.

A matéria foi publicada hoje no caderno MINHA CIDADE, que é distribuído para os municípios de São Gonçalo, Niterói, Maricá e Itaboraí.

Abaixo, a clipagem da matéria. Evoé!


Agradecemos a toda equipe do O Extra, em especial à jornalista Luana Soares pelo carinho e atenção dedicada ao evento.

.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

O Mensageiro Obscuro e seu mundo visionário e fantástico.

.
Desde a segunda temporada do Uma Noite na Taverna o Mensageiro Obscuro vem se apresentando no evento com suas poesias fortemente influenciadas pelo ultraromantismo. Sempre com suas vestes, como um mago conduz ao público a um universo sombrio e magnífico com seus versos sempre muito bem escritos. Realmente um primor literário. Nada mais justo do que convocá-lo mais uma vez à Taverna na sexta-feira 13 de agosto, onde o evento irá homenagear a Sociedade Epicuréia.
Com a Palavra... O Mensageiro Obscuro!

Recitando pela primeira vez na Taverna, em 2005.

"Comecei a escrever oficialmente como Mensageiro Obscuro aos meus 20 anos em janeiro de 2004, assim reconstruí muito do que sou e de quem sou, todas essas transformações interiores fizeram com que eu me descobrisse um artista e investisse em mim, mesmo que tivesse que lutar contra todas as pessoas e obstáculos para meus objetivos, cada ano que passasse serviria para me aprofundar dentro do meu universo interior em constante expansão, desse universo rico em elementos é que surgem boa parte de minhas idéias em diferentes sistemas de produção das coisas que surgem dentro de mim.

Todas as fontes de inspirações servem direta ou indiretamente para aumentar meu prisma de idéias, daí surge a versatilidade da hibridez de idéias já criadas e alteradas em conjunção com minhas idéias sobrepostas. Produzo textos classificados como prosas, poesias, contos, crônicas, pensamentos, frases e um universo fantástico de RPG com sistema de jogo próprio.

Para estimular minha criatividade em cenários, narrativa, personagens e outros elementos literários sou profundamente inspirado por: aventura fantástica, realismo fantástico, ultra-romantismo e simbolismo; também abordando temas como o amor próprio, amor filosófico, onirismo, introversão, autobiografia, filosofia, ocultismo e heresia, misticismo, belicismo, ceticismo, ecologia, humor e erotismo.

Em meu espetáculo solo recito meus textos com expressividades teatrais e corporais, uso trajes estilizados e maquiagens exóticas, efeitos audiovisuais e outros detalhes, todos de minha autoria.


A criatividade do Mensageiro Obscuro (Taverna de 2005).

Utilizo como base para minha criatividade de cenários e narrativa elementos profundamente inspirados em:

01- Literatura [variados estilos de textos sobre: aventura fantástica; realismo fantástico; ultra-romantismo; decadentismo; simbolismo; insolitismo; surrealismo; modernismo e pós-modernismo; fábulas e mitologias; épico; RPGs e livros-jogos; horror e suspense psicológico, forense e fantástico; drama (tragédias, comédias, cotidiano etc.); teatrais (técnicas, estilos teatrais, tragédias, comédias, cotidiano etc.); ficção científica; cyberpunk; steampunk; revistas filosóficas, artísticas, científicas; revistas de histórias em quadrinhos (mangás, comics, manwás, novelas gráficas) etc.; fanzines de cenas culturais e dojinshi; humor; cordel etc.].

02- Outras artes [música e canto; cinema, teatro e TV; fotografia; arquitetura; desenho e pintura; escultura; ópera; artes marciais; dança; expressão corporal; arte cemiterial e tumular; artes marginais etc.].

03- Misticismo [filosofias e teorias místicas; magia teórica e prática; cabala e merkabah; terapias holísticas; yoga e meditação; heresia e oculto; alquimia; astrologia; animismo; xamanismo; paganismo e neo-paganismo; agnosticismo etc.].

04- Filosofias [pré-socrática; metafísica; epistemologia; ética; niilista; iluminista; marxista; positivista; existencialista; materialista; analítica; crítica; artística; científica; educativa; budista; taoísta; xintoísta etc.].

05- Mitologias e folclore [egípcia; mesopotâmica; indiana; indígenas latino-americanas, centro-americanas e norte-americanas; saxã e anglo-saxônica; germânica; latina; eslava; chinesa; japonesa; aborígene australiana etc.].
06- Cenas culturais [gótica; headbanger; punk; otaku; nerd; vampírica/vampyrica; steampunk; retrô etc.].

Também estou aberto a conhecer outras fontes de inspirações que criem um universo amplo para minhas obras."

Lugares onde já se apresentou

- Sarau Poesia Gonçalense na UERJ-FFP (Universidade Estadual do Rio de Janeiro - Faculdade de Formação de Professores) de São Gonçalo.

- Sarau "Uma Noite na Taverna" no SESC de São Gonçalo.

- Sarau "Diário da Poesia" no SINDSPEF (Sindicato dos Servidores Públicos Efetivados) em São Gonçalo.

- Evento de artes góticas "Plêiade Noturna" na Biblioteca Euclides da Cunha na Ilha do Governador - RJ.

- Livraria Ver&Dicto, em Niterói.


Com a sua peresonagem O Fantasma, em uma de suas últimas apresentações na Taverna, em 2009.

CONHEÇA O TRABALHO DO MENSAGEIRO OBSCURO:

http://abismo-do-obscuro.blogspot.com/

.